Mantras e Concentração

11-11-2021

Para quem busca a paz interior e o conhecimento profundo de si, a meditação e os mantras são recursos habituais e muito eficazes. Não é surpreendente encontrar, entre os praticantes de algumas tradições espirituais, como a meditação e o Yoga, adeptos convictos da utilização dos mantras como forma de serenar a mente e canalizar a atenção para valores e ideais elevados.

É no oriente, e em particular na Índia, que encontramos as raízes culturais dos mantras, os quais são praticados desde há milhares de anos pelos devotos espirituais ou sadhakas. Podemos afirmar que estas palavras encerram um poder, pois são repetidas em sânscrito, a mais antiga língua da Índia. Por serem repetidas de forma relativamente inalterada desde há centenas de anos, os mantras possuem uma força que é libertada quando estes são repetidos e que pode ser canalizada para a concentração e desenvolvimento espiritual.

A atuação dos mantras

A palavra mantra deriva de man, que significa pensar, e tra, que se traduz por proteção e libertação das amarras do mundo físico. Swami Sivananda, um mestre yogui dos nossos tempos, afirma que ao se pensar constantemente sobre um mantra, fica-se protegido de acontecimentos negativos e que, com dedicação e intenção pura, é possível obter-se a libertação da roda das encarnações, ou seja, evoluir e transmutar todo o karma adquirido no passado.

Os mantras atuam desta forma porque, quando são constantemente repetidos, geram uma força criativa que atua sobre o mundo físico e que permite ao seu praticante tomar consciência da ligação que existe entre cada ação e a sua consequência na vida do atuante. 

Diz-se que o mantra é como uma energia mística que se encontra contida numa estrutura sonora. É a manifestação do poder divino através do som. 

O mantra OM é o mantra primordial ou original - um som único, indivisível, considerado como o som-semente do universo. Diz-se que esta é a primeira vibração que colocou em movimento toda a criação.

Este mantra poderoso, que é a origem de todos os outros mantras, é o AUM. Cada letra representa um aspeto da divindade: "A" simboliza a consciência criadora, "U" representa a consciência preservadora que mantém a ordem no universo e "M" representa a consciência transformadora e que gera a mudança (no Hinduísmo, estas são as três facetas primordiais do divino - Brahma, Vishnu e Shiva). Quando entoado, o "M" deve ser três vezes mais longo do que o "AU".

OM é uma adaptação fonética que inclui o AUM, e portanto, os dois mantras são, na verdade, o mesmo e um só. A repetição deste mantra transforma a escuridão em luz e a ignorância em conhecimento.

É o primeiro mantra recomendado para o desenvolvimento da concentração, potenciando a clareza mental, o discernimento e a intuição.